jusbrasil.com.br
2 de Abril de 2020

Por que eu ODEIO ler artigos jurídicos?

Guilherme Oliveira, Advogado
Publicado por Guilherme Oliveira
há 2 meses

Não sei vocês, mas eu odeio ler artigos jurídicos por diversas razões que passarei de descrever.

A maioria dos artigos jurídicos que paro para ler parece mais ser um trabalho de faculdade, daqueles bem boring mesmo, saca?

Não sei porque nós advogados temos o costume de querer falar bonito, exagerar no juridiquês, ENCHER LINGUIÇA quando é muito mais fácil e simples ir direto ao ponto.

Muitos de nós se esquecem que os destinatários podem não entender o conteúdo da mensagem, impedindo que a comunicação ocorra.

SE ESCREVEMOS PARA QUEM VAI LER, POR QUE NÃO NOS COLOCAMOS NO LUGAR DESTAS PESSOAS?

Mais de uma vez li notícias de advogados que colocaram receitas de bolos, etc, em suas petições para provar que os juízes não leem o processo. Desculpem, mais que caras CHATOS!

Quem tem a necessidade de fazer algo assim é porque não tem argumentos suficientemente bons para defender a sua tese.

E o que isso tem a ver com artigos jurídicos, Guilherme??????

A resposta é simples, no afã de demonstrar conhecimento e parecer smart, muitos acabam querendo contar a história mundial para falar de um tema que poderia ser discorrido em coisa de dois, três parágrafos.

Em resumo, eu odeio a falta de objetividade de grande parte dos artigos que leio, bem como o modo que estes textos costumam ser construídos. Sejamos sinceros, a grande maioria dos textos jurídicos são enfadonhos!

Eu também já fui assim, porém aprendi que escrever e falar de forma mais natural ajuda muito mais do que tentar ser “O Senhor dos Vernáculos!” (🤣🤣🤣)

Meus nobres colegas, humildemente, peço-lhes: sejam mais diretos e claros em seus artigos!!!!

19 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Gosteiiii demais! Vamos colar isso como porta de entrada aqui kkk

Eu passei a ser mais objetiva nos artigos e pasmem: diversos advogados dizendo que deixei passar isso ou aquilo. Apontar o dedo todo mundo quer, mas escrever de maneira que qualquer um entenda ninguém quer.

Literalmente da vontade de falar pra pessoa ler de novo. Se eu escrevi aquilo, é porque eu só quis dizer aquilo. Não precisa dar a volta no mundo pra falar o que quero.

Mandou muito bem Guilherme! continuar lendo

Comentário perfeito Dra. é exatamente isso... "Se eu escrevi aquilo, é porque eu só quis dizer aquilo". continuar lendo

Há público para todas formas de manifestações jurídicas, desde as mais singelas e objetivas, bem como as complexas e extensas.

Há momentos que como juristas precisamos de aprofundamento e riqueza de vernáculo, porém há momentos que a objetividade e simplicidade são essenciais.

Abraços.

Professor Palomares continuar lendo

Pactuo com o seu posicionamento. Não devemos abominar ou festejar, por completo, nem uma nem outra forma de escrita. Cada momento reivindica um tipo de escrita. Concordo plenamente com o Sr. continuar lendo

Excelente!! continuar lendo

Estou nessa "vibe" contigo, basta olhar os modelos de petições que publiquei aqui - simples e direta... hoje escrevo para qualquer um entender.

Parabéns pela coragem!

Abraços. continuar lendo